segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Elvis e Eu - VIII Parte

...Fui andando até o podio,trêmula,olhei para o auditório apinhado.Tudo o que podia ver era o rosto de meu pai,cada vez mais desapontado ao perceber que eu nada tinha para dizer.Quando finalmente falei,foi para pedir desculpa.
-Senhoras e senhores,sinto muito-balbuciei.-Não estou preparada para fazer um discurso,já que não esperava vencer.Mas muito obrigada a todos por terem votado em mim.Farei o melhor possível.
Uma pausa e acrescentei,olhando para meu pai:
-Desculpe,papai.
Fiquei surpresa quando a audiência graciosamente aplaudiu,mas ainda tinha de enfrentar o meu pai e ouvi-lo dizer "Eu não falei?"
Ser eleita Rainha da Escola foi uma vitória entre doce e amarga,porque a intimidade que Pan e eu outrora partilhávamos acabou.De qualquer forma,a coroa simbolizava um sentimento desconhecido e maravilhoso:a aceitação.
Minha tranqüilidade recém-encontrada terminou abruptamente quando meu pai anunciou que estava sendo trasferido para Wiesbaden,na Alemanha Ocidental.
Fiquei desesperada.A Alemanha era no outro lado do mundo.Todos os meus medos voltaram.Meu primeiro pensamento foi: O que vou fazer com meus amigos?Falei com mamãe,que se mostrou compreensiva,mas lembrou que estávamos na Força Aérea e a mudança era uma parte inevitável de nossas vidas.
Concluí a primeira parte do curso secundário,Jeff nasceu e nos despedimos dos vizinhos e amigos.Todos prometeram escrever ou telefonar,mas eu sabia que isso dificilmente aconteceria,pois recordava promessas similares anteriores.Minha amiga Angela me disse,em tom de brincadeira,que Elvis Presley estava fazendo o serviço militar em Bad Neuheim,Alemanha Ocidental.
-Já pensou nisso? Você estará no mesmo país que Elvis Presley.
Examinamos um mapa e descobrimos que Bad Neuheim ficava perto de Wiesbaden.E comentei:
-Vou até lá para conhecer Elvis.
Nós rimos,nos abraçamos e despedimos.O vôo de quinze horas para a Alemanha Ocidental pareceu interminável,mas finalmente chegamos à linda e antiga cidade de Wiesbaden,sede da Força Aérea dos Estados Unidos na Europa.Fomos nos hospedar no Hotel Helene,um prédio enorme e venerável na rua principal.Depois de três meses,a vida no hotel estava muito cara e começamos a procurar uma casa para alugar.
Tivemos sorte de encontrar um apartamento grande num prédio clássico,construído muito antes da Primeira Gurra Mundial.Mudamos logo depois e notamos que todos os outros apartamentos estavam alugados para moças solteiras.As "Fräuleins" andavam durante o dia todo em roupões e negligês e à noite se vestiam a capricho.Assim que aprendemos um pouco de alemão,compreendemos que,embora a pesão fosse bastante discreta,estávamos vivendo num bordel.
Era impossível mudar,pois havia uma escassez de moradias.Mas o local em nada contribuiu para meu ajustamento.Não apenas estava isolada das outras famílias americanas,mas também havia a barreira da língua.Já estava acostumada a mudar de escola com freqüência,mas um país estrangeiro apresentava problemas inteiramente novos-e o principal era o fato de não ter ninguém com quem pudesse partilhar meus pensamentos.Comecei a sentir que minha vida parara por completo.Setembro chegou e as aulas começaram.Mais uma vez eu era a garota nova.Não era mais popular e segura como me sentira na Del.
Havia um lugar chamado Eagles Club,onde as famílias dos militares americanos costumavam fazer refeições e se encontrar socialmente.Dava para ir a pé da pensão e logo se tornou uma descoberta importante para mim.Todos os dias,depois das aulas,eu ia à lanchonete que havia ali,ficava escutando a vitrola automática e escrevia cartas para minhas amigas em Austin,dizendo como sentia saudade de todo mundo....continua
Postar um comentário